quinta-feira, 28 de abril de 2016

Waldir Maranhão não quer ser comunista


Para quem pensa que o vice-presidente da Câmara Federal, deputado Waldir Maranhão (foto), não vai até as últimas consequências para retomar o comando do PP no Maranhão, não conhece o parlamentar. Destituído horas antes da votação do impeachment na Câmara dos Deputados, em Brasília, o astuto parlamentar agora resolveu comprar briga com o colega deputado federal André Fufuca, contrariando a orientação da legenda.

Waldir, que é investigado na Operação Lava jato, da Polícia Federal, e que votou contra o afastamento da presidente Dilma, caiu em desgraça após trair o partido que se declarou a favor do impeachment. A partir daí, a direção nacional resolveu destituí-lo da função, tendo delegado plenos poderes ao deputado Fufuca para comandar a sigla no Maranhão. 

Na última segunda-feira, 25, Waldir resolveu entrar na Justiça para tentar retomar o controle do PP no estado, tendo o caso sido distribuído à 14ª Vara Cível de São Luís. 

Como justificativa, o parlamentar alega que sua destituição do diretório estadual do PP representa uma "afronta ao princípio do contraditório e da defesa". Enquanto isso, o deputado Fufuca aguarda desdobramentos na esfera judicial sobre o caso.

Pelo visto, Waldir deve virar mesmo comunista, mesmo a contra-gosto.

Márlon Reis pode ser advogado geral da União

Juiz Márlon Reis gerou expectativa com o anúncio de sua aposentadoria das hostes do Poder Judiciário
Para quem pensa que a aposentadoria da magistratura do juiz de Direito, Márlon Reis, foi um tiro no pé, engana-se. Na política a visão de futuro é quem fala mais alto. Portanto, vamos analisar os fatos: o nobre magistrado deixando o lugar-tenente do Judiciário passa à condição de advogado do Rede Sustentabilidade (Rede), partido idealizado pela ex-senadora Marina Silva, pretensa candidata à Presidência da República, em 2018.

Caso Marina Silva consiga vencer o pleito presidencial, o juiz quase aposentado Márlon Reis teria grandes chances de ser alçado à condição de advogado geral da União, função exercida até o momento pelo advogado José Eduardo Cardoso, ex-ministro da Justiça e que no momento vem fazendo a defesa da presidente Dilma Rousseff (PT) contra o  processo de impeachment.

Como se pode observar, Márlon Reis não trocou seis por meia dúzia!

Severino Sales pode ser vice de Edivaldo

Prefeito Edivaldo Jr e Severino Sales
Corre nos bastidores que o ex-vereador e atual presidente estadual do PRP, Severino Sales, pode ser candidato a vice na chapa a ser encabeçada pelo prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), nas eleições do dia 2 de outubro deste ano.

Atualmente, Severino Sales faz parte da equipe de governo do prefeito, na condição secretário extraordinário de Assuntos Parlamentares. Há quem afirme que as conversações entre o ex-vereador e o gestor municipal já estariam em estágio avançado, faltando apenas um comunicado oficial.

Caso o PRP seja confirmado na chapa do prefeito Edivaldo, quem sai perdendo no jogo político-eleitoral é o PCdoB do governador Flávio Dino, pois a legenda comunista vinha sendo cogitada para ocupar um cargo majoritário na disputa ao Palácio La Ravardière.

Até o momento, o dirigente do PRP ainda não se manifestou sobre o assunto, mas também não a eventual aliança. A Executiva Municipal da legenda também não encaminhou nota sobre o assunto em questão.

Juiz Márlon Reis diz não pensar em candidatura


O juiz de Direto Márlon Reis (foto) garante que ainda não pensa em ser candidato ao Senado, nas eleições de 2018. É que com o anúncio precoce de aposentaria, o magistrado passou a ser alvo de especulações sobre sua decisão e chegou até a ser comparado ao governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), que largou a magistratura na Justiça Federal para entrar de cabeça na vida política.

Atualmente, o juiz, natural do estado do Tocantins, mas que se formou no Curso de Direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), vem sendo assediado pela imprensa para que o mesmo dê detalhes sobre que trajetória irá tomar a partir de agora.

Na última quarta-feira, 27, em entrevista ao programa Ponto e Vírgula, da rádio Difusora FM (18h às 19h), apresentado pelos jornalistas Leandro Miranda e Marcelo Minard, o juiz Márlon Reis afirmou apenas que deixa a magistratura para advogar. Ele irá defender os interesses do partido Rede Sustentabilidade, da ex-senadora Marina Silva, pretensa candidata à Presidência da República, em 2018.

No entanto, o magistrado quase aposentado garantiu que a política é o instrumento de mudança de uma sociedade e que sua postura sempre se pautou nesse caminho. Apesar disso, tudo indica que a "mosca azul" do parlamento picou o novo rebento da nova safra política.

Márlon Reis foi um dos autores da Lei da Ficha Limpa, normativa de amparo popular que impede que gestores condenados por malversação de recursos públicos possam se candidatar a um novo mandato eletivo.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Roberto Rocha comandará disputa interna no PSB


O senador Roberto Rocha (foto) deve comandar as disputas internas no Partido Socialista Brasileiro (PSB) na escolha por nomes de candidatos que pretendem concorrer à Prefeitura de São Luís, nas eleições do dia 2 de outubro do corrente ano.

Atualmente o PSB pode realizar disputa interna entre os pré-candidatos, deputado estadual Bira do Pindaré e o vereador Roberto Rocha Júnior para o pleito na capital maranhense.

Bira do Pindaré garante que seu nome vem avançando na discussão do partido para ser o indicado a disputar a Prefeitura de São Luís. Já o vereador Roberto Rocha Júnior, filho do senador, colocou seu nome à disposição da sigla partidária para concorrer ao Palácio La Ravardière, sede do governo municipal.

Aguardemos novos desdobramentos!

Maioria dos senadores maranhenses indecisos sobre impeachment

Senadores João Alberto, Edison Lobão e Roberto Rocha ainda mantêm clima de indecisão sobre o impeachment
O site da revista Veja divulgou nesta quarta-feira, 27,  a lista dos 81 senadores que irão votar contra e a favor do impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff (PT). A bancada maranhense é retratada da seguinte forma pelo portal:

Senador Edison Lobão (PMDB) aparece na condição de indeciso

Senador João Alberto (PMDB) mantém a postura contra o impeachment

Senador Roberto Rocha (PSB) preferiu não manifestar posicionamento

O relatório sobre o afastamento ou não da presidente petista deve ser submetido ao plenário até o dia 11 de maio. Caso o parecer do relatório da comissão especial do impeachment seja favorável à instauração do processo e seja aprovado por maioria simples dos senadores (41 dos 81), Dilma será automaticamente afastada da Presidência da República por um período de 180 dias.

PMDB quer João Alberto votando pelo impeachment de Dilma

Senador João Alberto
O senador maranhense João Alberto (PMDB) vem sofrendo forte pressão do seu partido para votar a favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) no Senado.

No entanto, o próprio parlamentar já deu declarações na imprensa e na mídia que vai seguir sua consciência e votar contra o afastamento da presidente, por entender que a petista não cometeu crime de responsabilidade, já que as "pedaladas fiscais" foram instrumentos usados por gestores anteriores à sua administração e também por governadores.

Por conta da insistente pressão da direção nacional do PMDB a favor do impeachment, não se sabe se o senador João Alberto aguentará e manterá seu posicionamento. Durante a votação na Câmara Federal, o senador teria orientado seu filho, o deputado federal João Marcelo (PMDB), a votar contra o impedimento da presidente Dilma, tendo sido seguido a risca por seu rebento.

Vale destacar que o posicionamento de João Alberto vai de encontro até mesmo à diretriz tomada pela ex-governadora Roseana Sarney (PMDB), que faz parte do seu grupo político no Maranhão.

E agora Carcará?

terça-feira, 26 de abril de 2016

Eliziane Gama quer Pinto como vice

A deputada federal Eliziane Gama tem mantido conversas amistosas com o ex-deputado federal Pinto Itamaraty
A deputada federal Eliziane Gama (PPS) vem fazendo inúmeras investidas para ter membros do PSDB para compor chapa na sua empreitada à Prefeitura de São Luís, nas eleições de outubro deste ano. O partido lhe daria um maior tempo no rádio e na TV durante o programa eleitoral gratuito, além de fortalecer sua base.

A mais nova ação da parlamentar tem sido conversar com o ex-deputado federal e atual 1º suplente de senador, Pinto Itamaraty (PSDB), que vem sendo sondado para eventual indicação para composição de chapa a vice-prefeito.

Apesar do diálogo entre os dois, a palavra final deve ficar mesmo com a Executiva Estadual tucana no Maranhão, que tem a frente o vice-governador Carlos Brandão. 

O PSDB ainda avalia se deve ou não lançar candidatura própria para concorrer à Prefeitura da capital maranhense. Os nomes mais cotados são o do deputado federal João Castelo (ex-prefeito de São Luís) e os deputados estaduais Sérgio Frota e Neto Evangelista.

Demissão e saúde comunista em frangalhos

O demissionário secretário de Saúde, Marcos Pacheco, ficou sem saber por que foi exonerado do cargo pelo governador 
O assunto mais comentado nas redes sociais no momento é a exoneração do secretário de estado da Saúde, Marcos Pacheco (PDT), pelo governador Flávio Dino (PCdoB). Apesar disso, a saúde do Maranhão agradece, já que esse moço ainda não havia dito para que veio.

Com a saída de Pacheco, quem assume a pasta, temporariamente, é o advogado Carlos Lula, que já atuava como subsecretário. A expectativa agora é pra saber se ele será ou não mantido como titular do cargo.

O que mais chamou atenção é que Marcos Pacheco foi demitido no momento em que o demissionário secretário estava reunido com membros do Banco Mundial, dentro do Palácio dos Leões, sede do Governo do Estado.

Isso mostra que o governador Flávio Dino cansou da mesmice de Pacheco.

Astro continua inovando

O presidente da Câmara de São Luís, vereador Astro de Ogum (PR/foto), de forma inédita vem inovando no Legislativo municipal. A mais recente iniciativa do parlamentar foi inserir no novo Regimento Interno da Casa o programa “Tribuna Livre”, que é um mecanismo que possibilitará lideranças comunitárias e dirigentes de entidades ocuparem a tribuna do parlamento, em datas previamente agendadas e com assuntos já definidos.

“Sempre busquei estabelecer espaços mais estreitos com o eleitorado e, ao longo dos anos, venho observando constantes reclamações por conta de que muitos apontam certo distanciamento de nós, enquanto parlamentares, para com o povo, que nos delega o mandato. E foi essa situação que me impulsionou a estabelecer, no novo Regimento, a “Tribuna Livre”, destaca o vereador Astro de Ogum.

O novo Regimento foi aprovado no final do ano passado e, agora, Astro de Ogum ressalta que está mantendo conversações com os demais vereadores, na busca de um formato para que o Tribuna Livre seja posto em funcionamento o mais rápido possível, de forma prática e dinâmica.

“O programa é excelente, e foi aprovado por unanimidade, mas precisamos discutir suas diretrizes, para que não caia na vala comum, até porque temos que estabelecer regras e parâmetros de escolhas para saber quem dele vai participar e as datas”, acrescentou o presidente da Câmara Municipal da capital maranhense.