Comercial da Prefeitura de SL

Comercial da Prefeitura de SL

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Após operação da PF, Sarney ironiza Dino: "Me dá um sorvete aí!"


Ainda surfando nas ondas magnéticas da bombástica "Operação Pegadores" da Polícia Federal, o ex-presidente da República e ex-senador José Sarney (PMDB) ironiza o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), em artigo, assinado de próprio punho, finalizado com a seguinte frase de efeito: "Me dá um sorvete aí!".

A ironia do astuto ex-parlamentar peemedebista se volta para as acusações feitas pela Polícia Federal de que até uma fábrica de sorvete teria sido utilizada pelo governo comunista para desviar verbas milionárias do Fundo Nacional de Saúde (FNS) para terceiros, aliados ao governo Dino no estado.

Leia abaixo alguns trechos do artigo:

É uma glória para o nosso Estado a descoberta que acaba de ser feita no Maranhão — o penúltimo estado comunista no mundo depois que a Albânia acabou com esse sistema —, de que descobrimos aquilo que nunca tinha sido achado na mesa dos cientistas: o medicamento universal que liquida com qualquer doença.

A Sociedade Internacional de Medicina, com sede em Londres, acaba de tomar conhecimento de que aqui foi descoberto o remédio final para a saúde, que causa verdadeiro milagre: o Sorvete Milagroso!

A Operação Pegadores, deflagrada pela Polícia Federal, que há quinze meses acompanhava os trabalhos estatais, tornou transparente o programa governamental para salvar a Saúde Pública.

Mais de UM MILHÃO DE REAIS custou a empreitada do Governo do Maranhão.

....Foi um número tão exagerado que levou a Polícia Federal a desconfiar. Só um hospital consumiu quinhentos mil casquinhas de sorvete de uma bola, ao custo unitário de dois reais por bola. Assim, em cada cama, quem chegava encontrava o paciente chupando uma casquinha de sorvete. Faltava remédio, algodão, seringa e roupa lavada, mas sorvete jamais. Quinhentos mil sorvetes sabor Dino. Não ficou muito claro se, burlando a pesquisa, a turma também chupava picolé.

Outra coisa fantástica é o fato de que toda essa produção brutal de sorvete (e picolé?) era produzida por uma firma fantasma, que não existia, mas produzia e consumia o dinheiro que, segundo o slogan do governo, deveria ser “de todos nós”. E os marqueteiros ficaram também ouriçados com a possibilidade de substituir o slogan do Governo por “Sorvetes de Todos Nós!” Seria mais atrativo e chamativo.

...A operação era tão secreta que de nada sabiam o Secretário de Saúde, Dr. Carlos, o Governador, Dr. Dino, o Secretário da Articulação Política, Dr. Jerry, o Dr. dos Direitos Humanos e Participação Popular — sim, pois tanto sorvete é caso de direitos humanos e dos direitos dos políticos que apoiavam todo o governo do sorvete.

O milagre é que toda a fórmula de feitura do sorvete da trapaça era explicada ao Secretário de Saúde, com folha suplementar mandada preparar por alguém (?) de cima, que também não sabia de nada — só de tudo.

Sendo assim, entre sorvetes, picolés e roubalheira fica o pobre Maranhão com 20 mortes por semana, estradas esburacadas, filas e filas nos hospitais e nas UPAs, sem remédios e algodão. Os doentes, à beira da morte, só podem balbuciar:

— Me dá um sorvete aí!

José Sarney

domingo, 19 de novembro de 2017

Eliziane diz que dívida ativa com a União foi adquirida pelo próprio PPS


A deputada federal Eliziane Gama (PPS) encaminhou nota a este blog, informando que o aparecimento do seu nome na lista da Dívida Ativa da União (DAU), deve-se a um débito do próprio partido, adquirida anterior à sua gestão na presidência do PPS no Maranhão.

Leia a íntegra da nota:

"Diante das informações divulgadas por este blog, a presidente do Diretório Estadual do PPS no Maranhão informa que se trata de uma dívida do partido adquirida anterior a sua gestão como presidente do PPS no estado e o partido já está tomando as providências para o pagamento".

Zé Reinaldo, Waldir Maranhão e Eliziane estão na lista da dívida ativa da União


Os deputados federais da bancada maranhense, José Reinaldo Tavares (PSB), Waldir Maranhão (Avante) e Eliziane Gama (PPS) aparecem na lista de um grupo de parlamentares inscritos na Dívida Ativa da União (DAU). 

Esse grupo de deputados, segundo o site Congresso em Foco, é responsável por um rombo de R$ 1,4 bilhão nos cofres públicos, sem contar a relação de devedores da União que financiam campanhas eleitorais para a Câmara e o Senado, entre pessoas físicas e jurídicas, muitas delas de propriedade dos próprios parlamentares ou apresentadas como partidos políticos.

Os dados constam de levantamento divulgado pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN).

Veja a lista abaixo:

José Reinaldo Carneiro Tavares (PSB) deve R$ 32.775,42 inscritos na Dívida Ativa da União.

Waldir  Maranhão Cardoso (Avante) deve R$ 18.127,14

Eliziane Pereira Gama Ferreira (PPS) deve R$ 7.509,70

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Carlos Lula diz não ter o que temer com as investigações da Polícia Federal


O intrépido secretário de estado de Saúde, advogado Carlos Lula (foto), tem dado declarações à imprensa de que não tem nada a temer com o bombardeio de informações sobre suposta corrupção na pasta, após investigações da Polícia Federal no Maranhão.

Carlos Lula assumiu a SES no final do mês de abril de 2016, com a saída do seu antecessor, o médico Marcos Pachêco (PDT). De lá pra cá, Lula tem demonstrado cautela e gerenciado a pasta sem maiores estardalhaços.

Só que esse clima de tranquilidade acabou na última quinta-feira, 16, após a Polícia Federal cercar o prédio da Secretaria de Saúde. Principalmente depois que a superintendente regional da PF, Cassandra Parazzi, ter afirmado que o secretário Carlos Lula tinha conhecimentos de supostas irregularidades no setor e não fez nada para impedir a sangria.

Aliados de Dino querem tocar fogo em Marcos Pachêco e inocentar Carlos Lula


Aliados de plantão do governo Flávio Dino (PCdoB) estão agora jogando na "fogueira santa" o ex-secretário de estado de Saúde, médico Marcos Pachêco (PDT), que em 2015, era quem comandava a pasta, tendo como subsecretária a suplente de deputada federal, Rosângela Curado (PDT), considerada a suposta chefe da quadrilha que desviava recursos do setor em convênios entre os governos estadual e federal e que se encontra presa temporariamente.

No entanto, a Superintendente Regional da Polícia Federal no Maranhão, Cassandra Ferreira Alves Parazzi, deu fortes declarações de que o atual titular da Saúde, Carlos Lula (foto), tinha sim conhecimento de tudo e não fez nada para corrigir eventuais distorções na pasta.

"...especialmente o secretário de Saúde (Carlos Lula). Ele tinha conhecimento disso e, infelizmente não soube tratar da melhor forma, não soube bloquear isso e as fraudes continuaram com ele", afirmou a superintendente da PF.

Carlos Lula poderá responder pelos crimes de de prevaricação e omissão.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

"Queremos conscientizar motoristas sobre uso das faixas exclusivas", diz Canindé

O secretário municipal de Trânsito e Transportes, Canindé Barros, informou que para garantir melhor adaptação da população ao uso das faixas exclusivas, a Prefeitura de São Luís prorrogou por mais 30 dias o prazo para início da fiscalização dessas vias. A fiscalização eletrônica dos fotossensores continuam valendo.

"A prorrogação é para que a população possa compreender melhor como funcionará essa fiscalização nas faixas exclusivas. Nesse período, estamos à disposição da população para esclarecer quaisquer dúvidas em relação a essa fiscalização. Nosso objetivo é conscientizar as pessoas acerca do uso das faixas exclusivas, que permitem um ganho na velocidade do transporte coletivo", explicou o secretário.

A Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), responsável pelo monitoramento do trânsito, já havia concedido um período de 30 dias de fiscalização em caráter experimental. Com a decisão, a Prefeitura irá intensificar as campanhas educativas para ampliar o alcance das informações.


O objetivo das faixas exclusivas, que integram essa nova configuração do trânsito da capital, é promover maior fluidez ao trânsito, beneficiando especialmente os usuários do transporte coletivo. Com as faixas exclusivas – implantadas nas avenidas Colares Moreira e Castelo Branco e na Rua das Cajazeiras – pelos quais somente podem trafegar ônibus, ambulâncias, táxis com passageiro e viaturas das polícias e da SMTT- os veículos podem circular com maior eficiência e com a vantagem de um menor tempo de viagem.

Rosângela Curado é afilhada política do deputado Weverton Rocha


A ex-secretária adjunta de estado da Saúde e ex-candidata à Prefeitura de Imperatriz, Rosângela Curado (PDT), que foi presa nesta quinta-feira, 16, pela Operação Pegadores da Polícia Federal é afilhada política do deputado federal Weverton Rocha (PDT), chegando até a assumir uma cadeira na Câmara Federal com o licenciamento do seu padrinho.

Além de Curado, há informações de que o médico Mariano de Castro, que seria diretor do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU), em Caxias, também teria sido detido pela PF.

A operação da PF investiga desvios de recursos de convênios entre o Governo Federal e o governo Flávio Dino (PCdoB), na área da Saúde, desde 2015.

O deputado Weverton Rocha é pré-candidato ao Senado, em 2018, com o apoio do governo comunista.

Dino volta colocar a culpa em modelo de gestão de Roseana Sarney na Saúde


Por meio de nota, o governador Flávio Dino (PCdoB) tenta mais uma vez apenas jogar a culpa na gestão anterior, da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) na área da Saúde. Uma pergunta que não quer calar: já que existiam irregularidades na administração anterior, por que não terem sido quebrados contratos espúrios, ainda em 2015?

Veja o que diz o governo Dino em nota:

Sobre a nova fase de investigação da Polícia Federal, deflagrada nesta quinta-feira (16), no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (SES), o Governo do Maranhão declara que:

1. Os fatos têm origem no modelo anterior de prestação de serviços de saúde, todo baseado na contratação de entidades privadas, com natureza jurídica de Organizações Sociais, vigente desde governos passados.

2. Desde o início da atual gestão, tem sido adotadas medidas corretivas em relação a esse modelo. Citamos: 
a) instalação da Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares (EMSERH), ente público que atualmente gerencia o maior número de unidades de saúde, reduzindo a participação de Organizações Sociais.
b) determinação e realização de processos seletivos públicos para contratação de empregados por parte das Organizações Sociais.
c) aprovação de lei com quadro efetivo da EMSERH, visando à realização de concurso público.
d) organização de quadro de auditores em Saúde, com processo seletivo público em andamento, visando aprimorar controles preventivos.

3. Desconhecemos a existência de pessoas contratadas por Organizações Sociais que não trabalhavam em hospitais e somos totalmente contrários a essa prática, caso realmente existente.

4. Todos os demais fatos, supostamente ocorridos no âmbito das entidades privadas classificadas como Organizações Sociais, e que agora chegam ao nosso conhecimento, serão apurados administrativamente com medidas judiciais e extra judiciais cabíveis aos que deram prejuízo ao erário.

5. A SES não contratou empresa médica que teria sido sorveteria. Tal contratação, se existente, ocorreu no âmbito de entidade privada.

6. Apenas um servidor, citado no processo, está atualmente no quadro da Secretaria e será exonerado imediatamente. Todos os demais já haviam sido exonerados.

7. A atual gestão da Secretaria de Estado da Saúde está totalmente à disposição para ajudar no total esclarecimento dos fatos.

PF apura novos desvios de recursos na área da saúde no Maranhão


Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira, 16, foi deflagrada pela Polícia Federal a operação "Sermão aos Peixes", que corresponde a 5ª fase das investigações que apuram indícios de desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, Contratos de Gestão e Termos de Parceria firmados pelo Governo do Estado do Maranhão na área da saúde.

Com o apoio do Ministério Público Federal, do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e da Receita Federal do Brasil, cerca de 130 policiais Federais cumprem 45 mandados judiciais expedidos pela Juíza Federal Paula Souza Moraes da 1ª Vara Criminal Federal da Seção Judiciária do Maranhão. 

São cumpridos 17 mandados de prisão temporária e 28 mandados de busca e apreensão em São Luís/MA, Imperatriz/MA, Amarante/MA e Teresina/PI, além de bloqueio judicial e sequestro de bens no total de 18 milhões de reais. As diligências de busca e apreensão estão sendo cumpridas na sede da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão e na Superintendência de Acompanhamento à Rede de Serviços do MA.

A operação busca prender servidores públicos vinculados à Secretaria de Estado da Saúde (SES), diretores, tesoureiros e administradores de organizações sociais, além de empresários vinculados a empresas de fachada e envolvidos no pagamento de propina a servidores públicos.

Entenda o caso

Segundo a PF, durante as investigações conduzidas em 2015 foram coletados indícios de que servidores públicos que exerciam funções de comando na Secretaria de Estado da Saúde naquele ano montaram um esquema de desvio de verbas e fraudes na contratação e pagamento de pessoal.

As investigações indicaram a existência de cerca de 400 pessoas que teriam sido incluídas indevidamente nas folhas de pagamentos dos hospitais estaduais sem a prestação de serviços às unidades hospitalares. Os beneficiários do esquema eram pessoas indicadas por agentes políticos: familiares, correligionários de partidos políticos, namoradas e companheiras de gestores públicos e de diretores das organizações sociais.

O montante dos recursos públicos federais desviados por meio das fraudes é superior a 18 milhões de reais. Contudo, segundo a Polícia Federal, o dano aos cofres públicos pode ser ainda maior, pois os desvios continuaram a ser praticados mesmo após a deflagração de outras fases da Operação Sermão aos Peixes.

Do blog com informações do G1

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Gastão Vieira ignora criticas contra sua aliança ao governo Dino


O ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira (PROS), garante que está à disposição do governo Flávio Dino (PCdoB) para somar e construir um Maranhão para o futuro. Na última segunda-feira, 13, o ex-deputado federal, que até bem pouco tempo pertencia ao PMDB do grupo Sarney, virou alvo de críticas ao desembarcar de um helicóptero, no município de Anapurus, na companhia do governador comunista.

Após divulgação do vídeo nas redes sociais, Gastão Vieira passou a ser tratado nas hostes do grupo Sarney como persona non grata, mas demonstra que isso não irá abalar a sua disposição de ajudar o Maranhão a garantir o seu rumo de desenvolvimento. 

O ex-ministro deve mesmo concorrer a uma vaga na Câmara Federal e espera contar com o apoio do governo do PCdoB, assim como já obteve ajuda do então governo Roseana Sarney (PMDB), em eleições passadas.

Em recente entrevista ao jornal O Imparcial, o ex-ministro Gastão Vieira disse que deixou o PMDB do grupo Sarney, por se tratar de um partido onde todo mundo manda, ninguém obedece e cada um faz o que quer.

"O PMDB do Maranhão, por ter tanto cacique, se inviabiliza para construir um caminho para o futuro", declarou.