Comercial da Prefeitura de São Luís

Comercial da Prefeitura de São Luís

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Fiscalização redobrada neste fim de ano em São Luís


O Departamento Estadual de Trânsito do Maranhão (Detran-MA) em parceria com a Polícia Militar irão reforçar a fiscalização no trânsito em São Luís neste fim de ano. As ações preventivas irão ocorrer em toda região metropolitana da Ilha para evitar situações desagradáveis na virada do ano.

A Operação Lei Seca será também reforçada para inibir a combinação do uso abusivo do álcool e direção. Só para se ter uma ideia, desde o início deste ano até o mês de novembro já foram aplicadas 1.409 multas por alcoolemia.

Essas ações serão também intensificadas em janeiro de 2017, por meio da Operação Férias, realizadas em todo o Maranhão.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

A vergonhosa situação do VLT


O Jornal Nacional mostrou na última terça-feira, 27, a vergonhosa situação que se encontra o Veículo Leve sob Trilho (VLT), comprado no apagar das luzes da desastrada gestão do saudoso prefeito de São Luís, João Castelo (PSDB), pela quantia de R$ 7,5 milhões dos cofres da capital maranhense. Até bem pouco tempo, o VLT estava dentro de um galpão de um empresa, situada às margens da BR-135, mas agora foi colocado para fora e se encontra ao relento, jogado à própria sorte, se deteriorando.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Ex-afilhado de Sarney pode ocupar educação no governo Dino

O ex-presidente do FNDE, Gastão Vieira, pode ocupar uma cadeira na Secretaria de Educação do governo Dino
O governo Flávio Dino (PCdoB) pode ganhar um novo integrante de peso. Já é dado como certa a ida do ex-afilhado político do presidente José Sarney e ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS) para ocupar a Secretaria de Estado de Educação, no lugar do atual gestor da pasta, Felipe Camarão.

Há duas semanas Gastão Vieira foi exonerado da presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), depois de ter sua cabeça a prêmio após supostas investidas dos senadores maranhenses Roberto Rocha (PSB), João Alberto (PMDB) e Edison Lobão (PMDB). Para o lugar de Gastão foi colocado no cargo um aliado do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM).

Gastão foi nomeado para o comando do FNDE em abril deste ano, ainda na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), alvo do processo de impeachment. na gestão do representante do PROS havia a previsão da liberação de R$ 20 milhões para o governo Flávio Dino com aportes do FNDE no estado.

Ao deixar o cargo, Gastão criticou a postura dos senadores maranhense que teriam pedido a sua "cabeça" de bandeja. "Aqueles que deveriam apoiar minha permanência no cargo para que o Maranhão tivesse maior representatividade em Brasília, foram os primeiro a me apear do cargo. Contra esses, resisti. À duras penas resisti e sobrevivi os últimos meses", desabafou o ex-deputado.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Vereadores de Viana terão que rever aumento de salário


Os vereadores do município maranhense de Viana devem convocar, nos próximos cinco dias, uma sessão extraordinária na Câmara da cidade para revogar o aumento no subsídio dos parlamentares, por recomendação do Ministério Público Estadual (MPE).

O titular da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Viana, Lindemberg Malagueta Vieira, afirma que a Câmara de Vereadores aprovou, após o resultado das eleições de outubro deste ano, o aumento nos vencimentos dos parlamentares para a próxima legislatura (2017/2020).

O Ministério Público informa que a Constituição Federal proíbe a fixação de subsídios quando o resultado das eleições já foi divulgado. Para valer o subsídio seguinte, o aumento deveria ter sido aprovado com antecedência.

Sancionada lei que reajusta o ICMS no Maranhão


A Lei nº 10.542, que aumenta as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), já foi sancionada pelo governador Flávio Dino (PCdoB). Com isso, o contribuinte maranhense irá sentir, em 2017, o peso das finanças no bolso como aumentos na conta de energia elétrica, dos combustíveis, de cigarros, serviços com telefonia e TV por assinatura.

Vale lembrar que a nova legislação foi aprovada pela maioria dos deputados da Assembleia Legislativa, com a anuência da base governista, no último dia 15, no apagar das luzes do exercício financeiro deste ano, ou seja no afogadilho.

A Lei começa a valer após 90 dias de ser publicada no Diário Oficial do Estado (DOE).

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Viúva de ex-governador pode ser candidata ao Senado

Na foto, o saudoso governador Jackson Lago, ao lado da esposa e médica Clay Lago, que pode concorrer ao Senado
A viúva do saudoso governador Jackson Lago (PDT), a médica Clay Lago, pode sair candidata a uma das duas vagas ao Senado, nas eleições de 2018. Pelo menos se depender de pedetistas históricos, a discreta Clay Lago pode ser um dos nomes fortes para representar o Maranhão na Câmara Alta do Congresso Nacional.

O próprio blog do Robert Lobato já anunciou isso em primeira mão, ressaltando que há um grupo de pedetistas e amigos particulares da viúva do ex-governador Jackson Lago que defendem a candidatura dela, no próximo pleito.

Para uma boa parcela dos pedetistas, Clay Lago é um símbolo de honestidade, ética e seriedade, qualidades raras nos agentes políticos da atualidade.

Rocha deixa Dino irritadiço


O senador maranhense Roberto Rocha, presidente estadual do PSB, fez duras críticas à divulgação da pesquisa Exata, na semana passada, contratada pelo Palácio dos Leões, que aponta o governador Flávio Dino (PCdoB) com índice de aprovação de 61% em todo o estado. Para o parlamentar, o levantamento surgiu de uma hora para outra.

"Avaliação de gestão é: bom e ótimo é igual a aprovação; ruim e péssimo é igual a desaprovação; regular tem que ser desprezado, não pode somar nem pra cima, nem pra baixo", declarou.

Nas redes sociais, o senador fez uma postagem em que afirma que "somar o regular com bom e ótimo é o mesmo que somar com ruim e péssimo", frisou. Aliados do governador Flávio Dino , nas redes sociais, caíram "matando" em cima de Roberto Rocha, que hoje é um dos desafetos do comunista.

sábado, 24 de dezembro de 2016

General admite intervenção militar se houver clamor das ruas: “É um caso a se pensar”


Do Congresso em Foco

O general da reserva Rômulo Bini Pereira (foto), ex-chefe do Estado Maior do ministério da Defesa, admitiu a intervenção militar como saída para a crise política que envolve os três Poderes da Republica. 

Em artigo publicado na quinta-feira passada (15) no jornal O Estado de S. Paulo, o militar escreve: “Se o clamor popular alcançar relevância, as Forças Armadas poderão ser chamadas a intervir, inclusive em defesa do Estado e das instituições”.

Um dos mais influentes militares das gerações que atuaram durante a ditadura militar, o general faz uma análise da situação política brasileira, critica o Congresso Nacional e até o governo. Segundo ele, a elite política empurra o Brasil para o brejo. Sob o título de “Alertar é Preciso 2”, o artigo do general diz que as Forças Armadas serão a “última trincheira defensiva desta temível e indesejável ida para o brejo”. E conclui: “Não é apologia ou invencionice. Por isso, repito: alertar é preciso''.

No longo artigo, o general faz uma análise da situação política no Brasil e no Mundo. Critica o Congresso por ter acrescentado punições ao Judiciário entra as medidas de combate à corrupção propostas pelo Ministério Público. Sem citar o nome, lembra que o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), é réu por peculato e afrontou uma decisão de um ministro do Supremo que determinou seu afastamento do cargo, por estar na linha sucessória presidencial. Também citou “um grande número de parlamentares envolvidos em processos judiciais”.

Sobre o Judiciário, o general diz que a sociedade ainda confia nos juízes de primeira instância, mas coloca em dúvida a atuação dos tribunais superiores. “Nas instâncias superiores o quadro é diferente”, escreveu. Aproveitou para criticar o foro privilegiado, direito das autoridades de serem julgadas exclusivamente pelo STF – o que, segundo ele, acarreta sobrecarga e morosidade nos processos julgados pelo Supremo. Diz que o Judiciário está contaminado pela política partidária.

General Bini considera ainda que o país enfrenta uma “desgraça sem precedentes” e tenta profetizar: “É nesse cenário de ‘desgraças’ que as instituições maiores e seus integrantes deverão ter a noção, a consciência e a sensibilidade de que o país poderá ingressar numa situação de ingovernabilidade, que não atenderá mais aos anseios e às expectativas da sociedade, tornando inexequível o regime democrático vigente”. E insinua: “É um caso, portanto, a se pensar”.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Para ser exato, governador tem índice de 61% de aprovação


O governo comunista Flávio Dino é aprovado por 61% da população maranhense. É o que mostra pesquisa realizada pelo instituto Exata entre os dias 12 a 17 de dezembro. Foram realizadas 1.408 entrevistas em todas as regiões do Estado. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos com intervalo de confiança de 95%.

Na última pesquisa do mesmo instituto, em julho de 2016, a aprovação era de 60%. De acordo com o novo levantamento, 34% dos maranhenses desaprovam o governo, enquanto 5% não sabem ou não responderam.

Segundo a Exata, o desempenho pessoal do governador Flávio Dino é ainda melhor e alcança 63% dos entrevistados. Com dois anos de governo, Flávio Dino mantém a mesma aprovação que o levou ao Palácio dos Leões em outubro de 2014, quando foi eleito com 63,52% dos votos.

Vereadora pega pesado contra Dino

A vereadora Rose Sales (PMB) discursa em favor de comunitários  de São Luís 
A vereadora Rose Sales (PMB) bateu de frente com o governador Flávio Dino (PCdoB), nas redes sociais, chamando o governo comunista maranhense de anti-democrático, por não respeitar o direito das comunidades. Desde que a parlamentar foi expurgada dos quadros do PCdoB, ela vem mantendo um "pau de briga" com o governador e de quebra com o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Junior (PDT).

Veja abaixo o que diz a vereadora na sua página no Facebook: 

GOVERNO DO ESTADO, ANTI-DEMOCRÁTICO, NÃO RESPEITA A COMUNIDADE DA AURORA
Dia 16/12/2016, em diálogo com os moradores da comunidade da Aurora, que mais uma vez estão alarmados com as ameaças de implantação de uma Unidade de Ressocialização para adolescentes infratores - naquele bairro tradicional e com um grande número de habitantes - bem ao lado de um condomínio residencial, em construção.
De maneira persistente, ao lado da enfermeira Goreth e dos moradores, já tivemos audiências com os gestores de várias pastas do governo do Estado, desde o ano passado, e até agora, tais representantes não vêm garantindo uma posição clara e definitiva, que atenda às reais necessidades do nosso povo. Inclusive, já fizemos várias Indicações ao executivo estadual para que no espaço onde querem instalar uma Unidade da FUNAC, passe a funcionar: um Centro de Qualificação Profissional para adolescentes e pessoas em geral; um Centro de Referência para Idosos ou uma Creche, etc. Até o momento, nenhuma resposta concreta foi apresentada aos moradores da Aurora. Apenas avançam nas intervenções do prédio, desconsiderando, assim, o clamor do povo.
A comunidade já convive com os assombros das fugas de presos da antiga CEREC. Então, o que anseiamos é que a Unidade de Ressocialização e a política de proteção aos adolescentes aconteçam de modo eficaz e que possibilitem um redirecionamento de vida deles, mas, que prevaleça o mínimo de zelo e de coerência, e seja implantada em área não habitada.
Senhor Governador, somos agentes políticos, e por isso, precisamos respeitar o povo. Respeite o povo da Aurora e autorize a instalação no respectivo imóvel, de um projeto que favoreça, que restaure direitos e dignidade a todos os moradores da Aurora e do Grande Anil!
ROSE SALES
VEREADORA De São Luís

Rodoviários podem cruzar os braços em janeiro de 2017


Motoristas e cobradores de ônibus de São Luís podem cruzar os braços a partir de janeiro de 2017. No decorrer desta semana a categoria se reuniu em assembleia, na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários, onde foram discutidos pontos cruciais como reajuste salarial de 13%, aumento do tíquete alimentação para R$ 600,00 e a inclusão de dependentes nos planos de saúde e odontológico.

Da assembleia foi extraído um documento que será encaminhado para a direção do Sindicato das Empresas de Transporte (SET). Enquanto isso, os rodoviários aguardam um posicionamento até a primeira quinzena de janeiro, para se posicionar sobre a realização ou não da paralisação da categoria. 

Caso os empresários do setor de transporte público não acatem as propostas encaminhadas pelos rodoviários os trabalhadores devem paralisar suas atividades já no começo do próximo ano. 

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Presidente da Câmara de Vereadores de Godofredo Viana é preso


Suspeito de ser um dos mandantes de assassinar o vereador eleito César Augusto Miranda o presidente da Câmara de Vereadores de Godofredo Viana, Chico Vila Nova, foi preso em Zé Doca na última quarta-­feira (21). As informações foram confirmadas pela Secretaria de Segurança Pública do Maranhão. Francisco Nascimento Gama, mais conhecido como Chico Vila Nova, é professor universitário, tem 40 anos de idade e está preso na regional de Codó. 

De acordo com as investigações da Polícia Civil, o parlamentar teria tentado coagir o vereador César Augusto Miranda a votar nele para sua manutenção na presidência da Câmara mas, sem sucesso, decidiu assassiná­lo. O crime aconteceu logo após César Miranda ter sido diplomado no dia 7 de dezembro. 

O crime ainda contou com a participação do vereador José Gomes da Silva, conhecido como “Zé do Bode”, de 47 anos, que foi preso no último dia 12 depois das investigações da Polícia Civil constatarem nas imagens de câmeras de segurança da farmácia onde ocorreu o crimeque um dos executores era próximo dele.

A polícia suspeita que um dos motivos para José Gomes ter querido a morte de César Augusto teria sido o fato de que o mesmo teria sido eleito para suplência deste nas últimas eleições.Ele, então, assumiria como titular e votaria para a permanencia de Chico Vila Nova na presidência da casa. Os autores dos disparam que vitimaram o vereador eleito César Augusto ainda estão foragidos.

Após a conclusão do inquérito, Chico Vila Nova poderá ser transferido para o Complexo Penitenciário de São Luís, antigo Complexo de Pedrinhas, ou permanecer preso na Regional de Zé Doca.

Com informações do ma10 da TV Difusora

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

A pedra foi cantada


Já era de se esperar que o ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS/foto) fosse ser "derrubado" do pedestal da presidência do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), após ter sentado à mesa ao lado do governador maranhense Flávio Dino (PCdoB). 

Vieira foi exonerado do cargo nesta terça-feira, 20, e em seu lugar foi nomeado Silvio Pinheiro (PSDB), da Bahia. Ele teria sido indicado pelo DEM, do prefeito baiano ACM Neto. O novo presidente do FNDE foi secretário municipal de Urbanismo de Salvador e coordenador da campanha do atual prefeito.

Gastão Vieira se encontrava à frente do FNDE desde abril de 2015, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Há duas semanas, Gastão Vieira fez um pronunciamento duro contra as investidas do senador Roberto Rocha (PSB), com apoio dos também senadores João Alberto e Edison Lobão, ambos do PMDB, pelo comando do órgão federal.

João Alberto chegou a admitir publicamente que "pediram a cabeça" do ex­deputado ao presidente Michel Temer (PMDB). Durante passagem pela cidade de Colinas, onde vistoriou obras bancadas com recursos do FNDE, Gastão Vieira bateu forte nos três senadores.

"Nossa eleição foi limpa", afirma Edivaldo

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), concede entrevista à imprensa 
"Nossa eleição foi limpa. A população inteira acompanhou". Com esta afirmativa o prefeito reeleito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), rebateu as críticas do adversário político e deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que foi derrotado pelo pedetista nas eleições municipais de outubro na capital maranhense.

Em declarações à imprensa o gestor municipal garantiu que ainda não foi oficialmente informado de nada que vá de encontro à sua campanha à reeleição no último pleito em São Luís. Segundo ele, o foco principal nesse momento é iniciar uma nova gestão pública, a partir de 1º de janeiro de 2017, priorizando obras e serviços essenciais par o bom andamento da máquina da Prefeitura.

Já o deputado Eduardo Braide entrou com um processo na 1ª Zona Eleitoral da capital pedindo a anulação da reeleição do prefeito Edivaldo, sob acusações de abuso de poder econômico e político. Além disso, o processo pede a cassação do diploma do prefeito do PDT.

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Definida nova mesa diretora da Câmara de São Luís

O presidente Astro de Ogum (PR) junto com os demais vereadores eleitos e reeleitos da Câmara
A nova composição da Câmara Municipal de São Luís já está definida para o biênio de 1º de janeiro de 2017 a 31 de dezembro de 2018. O atual presidente Astro de Ogum (PR) será reconduzido, por consenso, entre seus pares na Casa, tendo como vice-presidente o vereador mais votado da nova legislatura (2017/2020), Osmar Filho (PDT), e como primeiro-secretário, Honorato Fernandes (PT). 

A eleição acontecerá no primeiro dia do novo ano, após a solenidade de posse dos 31 vereadores eleitos e reeleitos da capital maranhense.

Confira abaixo a composição da nova Mesa Diretora:

Presidente – Astro de Ogum – PR

1º Vice-presidente – Osmar Filho – PDT

2º Vice-presidente – Chico Carvalho – PSL

3º Vice-presidente – Ricardo Diniz – PCdoB

1º Secretário – Honorato Fernandes – PT

2º Secretário – Pedro Lucas Fernandes – PTB

3º Secretário – Umbelino Júnior – PPS

4º Secretário – Barbar Soeiro – PSC

5º Secretário – Edmilson Jansen – PTC

Espaço Público em nova temporada na Difusora AM

Os jornalistas Mario Carvalho e Adriana Nogueira comandam o programa Espaço Público na rádio Difusora AM
A programação da rádio Difusora AM (680Khz) deu início, nesta terça-feira, 20, à nova temporada do programa "Espaço Público", veiculado no horário das 10h às 12h, comandado pelos jornalistas Mario Carvalho e Adriana Nogueira. O programa vai ao ar de segunda a sexta-feira.

O programa irá substituir, temporariamente, o horário de divulgação da sessão plenária da Câmara Municipal de São Luís, transmitido ao vivo pela emissora, por meio do Câmara em Destaque, das 10h às 13h, que retorna somente após o recesso parlamentar em fevereiro de 2017.

Não perca! O Espaço Público traz informações sobre política, cultura, mundo, esporte e variedades em geral.

Fábio Câmara deve ser candidato em 2018


O vereador Fábio Câmara (PMDB/foto), que disputou a corrida eleitoral para prefeito de São Luís, em outubro deste ano, considera incerto seu futuro político nesse momento, mas não descarta que seu nome possa estar na briga por uma das 41 cadeiras da Assembleia Legislativa do Maranhão, no pleito de 2018.

Fábio Câmara, que encerra seu mandato de vereador no próximo dia 31, garante que o PMDB vem forte na sucessão governamental daqui a dois anos. Ele ressalta que o partido não pode ficar de fora das discussões políticas das eleições seguintes.

Ao encerrar o seu mandato na Câmara de São Luís, Fá bio Câmara disse que irá aproveitar o momento para fazer uma reflexão política e buscar um novo gás para continuar na luta em prol do povo do Maranhão.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Justiça bloqueia contas da prefeitura de Pedreiras

O Prefeito Tontonho Chicote não pode mexer na grana do município por decisão judicial
O juiz Marco Adriano Ramos Fonseca, titular da comarca de Pedreiras, distante 245 Km de São Luís, determinou o bloqueio de "todas as contas do município perante o Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, em especial aquelas relativas ao Fundeb, FPM, SUS, FMS, Complemento União, IPVA, ICMS e demais transferências constitucionais compulsórias, e as contas vinculadas especificamente para pagamento de servidores".

Pela decisão judicial, as contas somente poderão ser movimentadas por decisão do juízo. Ainda de acordo com a decisão, os gerentes das respectivas instituições têm o prazo de 24 horas para comunicar ao juízo a confirmação do bloqueio e os saldos disponíveis nas contas do município. 

Também no prazo de 24 horas, o município, através do prefeito Tontonho Chicote  ou secretário municipal de Administração ou outro servidor encarregado do setor de folha de pagamento, deve encaminhar às instituições bancárias as folhas de pagamento referentes ao mês de novembro/2016, 13º salário e mês de dezembro/2016 de todos os servidores do quadro municipal que se encontram com a remuneração em atraso.

Os gerentes do Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ou substitutos devem realizar a transferência do valor bloqueado para a conta bancária de cada servidor com vencimentos em atraso, de acordo com as relações apresentadas pelo município, consta da decisão.

A multa diária para o não cumprimento das determinações é de R$ 10 mil. A decisão do juiz atende a pedido de tutela de urgência em Ação Civil Pública, interposta pelo Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Pedreiras, em desfavor do município em função do atraso no pagamento dos salários referentes aos meses de novembro e dezembro do corrente.

Segundo a ação, alegando redução dos repasses constitucionais, o gestor municipal informou que não realizará o pagamento dos meses referidos. Citando extratos juntados aos autos que indicam que os recursos do Fundeb e FPM não foram reduzidos, o autor destaca, ainda, o recurso extra recebido pelo município por conta de repatriação de valores no montante de R$ 1.287.046,95.

Suplente de vereador pode assumir vaga na Câmara


O suplente de vereador da coligação PDT/DEM/PR/PROS, Paulo Victor Melo Duarte, pode assumir uma cadeira na Câmara Municipal de São Luís, caso seja confirmada, nas próximas horas, o nome do vereador Ivaldo Rodrigues (PDT), como o mais novo secretário de Cultura da capital maranhense, na gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

Paulo Victor concorreu a uma vaga no Legislativo Municipal pelo PROS, obtendo nas urnas o quantitativo de 4.562 votos (0,87%), ficando na 33ª colocação. O suplente de vereador tem como ocupação a Astronomia e possui apenas 30 anos de idade.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Ivaldo Rodrigues deve assumir a cultura de São Luís


Membro do PDT, com trânsito livre no Palácio La Ravardière, sede do governo municipal de São Luís, o vereador Ivaldo Rodrigues (foto), deve ser confirmado, a partir do próximo ano, como o mais novo secretário de Cultura da capital maranhense, com as bênçãos do prefeito reeleito Edivaldo Holanda Júnior (PDT).

O nome do nobre parlamentar vem sendo bem avaliado por movimentos culturais da cidade, que apostam todas as fichas na pessoa do vereador pedetista. Caso Ivaldo seja confirmado como titular da pasta, abriria brecha para que o suplente da coligação, o ainda vereador Barbosa Lages (PDT), assumisse uma cadeira na Câmara de São Luís para a próxima legislatura.

Até o momento, Ivaldo Rodrigues prefere não falar sobre o assunto, justificando que "em boca fechada não entra mosca" e que a palavra final só depende do próprio prefeito Edivaldo.

A "pequena" oposição que teve coragem de peitar Flávio Dino


Do universo de 42 deputados estaduais do Maranhão, eis que surge na trincheira apenas oito parlamentares que tiveram a coragem de se contrapor ao projeto de lei do governador Flávio Dino (PCdoB), que não pensou duas vezes quando encaminhou para a Assembleia Legislativa matéria que aumenta as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no estado, cuja proposta vem sendo amplamente repudiada pela classe empresarial.

Contrariando a maioria amilhada ao governador comunista, os deputados Edilázio Júnior (PV), Andrea Murad (PMDB), César Pires (DEM), Max Barros (DEM), Adriano Sarney (PV), Wellington do Curso (PP), Sousa Neto (PTN) e Eduardo Braide (PMN) votaram pela não aprovação da proposta indecente do governo, num momento em que a palavra crise impõe o não reajuste de impostos e cortes de gastos públicos.

No entanto, o governador Flávio Dino atropelou a "pequena", mas corajosa oposição e conseguiu aprovar o projeto na Casa do Povo.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Flávio Dino chama opositores de mafiosos e ladrões


O governador Flávio Dino (PCdoB/foto) está de língua afiada e chamou de verdadeiros mafiosos e ladrões do dinheiro público os opositores do projeto de lei que ajusta as alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). A justificativa governista é de que é necessário para que o Estado e municípios mantenham o equilíbrio e com capacidade de investimentos e programas sociais.

“Os que hoje gritam contra 'os impostos' são os mesmos que sempre se empenharam em desviar dinheiro público em máfias e falcatruas. Se não tivessem roubado tanto no passado, hoje não teríamos que investir tanto para recuperar o Maranhão do caos social que herdamos“, disparou Flávio Dino, ao acrescentar: “Roubaram mais de bilhão do povo do Maranhão, é público e notório. Eles podiam devolver o que saquearam, eu aceito até parcelado“, afirmou Dino.

Jerry parte pra cima da "pequena" oposição

O secretário Márcio Jerry não perde a chance de blindar o seu padrinho político, o governador Flávio Dino (PCdoB)
O secretário de estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry (PCdoB), usou as redes sociais para bater forte na oposição ao governo do seu padrinho, Flávio Dino (PCdoB), considerando-a de insignificante e creditando a afirmativa de que o grupo opositor quer ver mesmo é a quebradeira financeira do estado do Maranhão para obter dividendos políticos, numa alusão à nefasta política de quanto pior melhor, visando às eleições de 2018.

Veja o que diz o secretário no Facebook:

A oposição deseja de forma vil que o Maranhão quebre; que funcionários públicos tenham seus salários atrasados; que não haja investimentos....É uma oposição pequena totalmente descomprometida com o nosso povo; que não quer um MA melhor para todos. Mas o MA vai continuar melhorando.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Afilhado de Sarney toma posse no TCU

O presidente do TCU, Raimundo Carreiro, ao lado do ex-presidente da República e ex-senador José Sarney (PMDB)
O afilhado político do ex-presidente da República, José Sarney (PMDB), o maranhense natural do município de Benedito Leite, Raimundo Carreiro, tomou posse nesta quarta-feira, 14, como o novo presidente do Tribunal de Contas da União (TCU). O mandato é de um ano, mas diz a lenda que a tradição na Corte é de que ele seja renovado, por meio de eleições, por igual período.

Durante a solenidade de posse, Sarney assistiu a tudo da primeira fila, juntamente com o presidente da República, Michel Temer (PMDB). Em discurso, Carreiro se comprometeu a fortalecer a fiscalização das atividades do poder público, tarefa do TCU, valorizando os talentos do tribunal, em prol da boa aplicação de recursos públicos e do combate aos desvios. Ele exaltou a importância do controle exercido pela sociedade sobre os gastos do governo.

Natural de Benedito Leite (MA), Carreiro fez carreira em Brasília a partir de 1968, como servidor público do Senado. Em 2007, após 16 anos como secretário-geral da Mesa da Casa, foi indicado para o cargo de ministro do TCU. Teve apoio do ex-presidente e ex-senador José Sarney (PMDB-MA), considerado seu padrinho político, para conseguir os votos necessários entre os congressistas.

A nova fotografia das lideranças de Edivaldo


Depois de vislumbrar ocupar uma cadeira no comando da Secretaria Municipal de Educação de São Luís, o vereador Pavão Filho (PDT) está sendo anunciado como o mais novo líder do governo do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), na Câmara Municipal, a partir de 1º de janeiro de 2017. O vice-líder será o vereador eleito Raimundo Penha (PDT).

Até o fim desta legislatura, que se encerra no próximo dia 31, o líder do prefeito no Legislativo continua sendo o vereador Osmar Filho (PDT), que deve ocupar o cargo de primeiro-vice na nova Mesa Diretora para o biênio 2017/2018. O vice-líder ainda é o vereador Ivaldo Rodrigues (PDT).

Portanto, as peças estão montadas para novos embates políticos na Câmara de São Luís para o ano que vem.

Renan joga indireta para presidente da Ajufe


O atual presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), Roberto Veloso (foto), foi o novo alvo da metralhadora giratória do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB). O magistrado piauiense, que já atuou como professor adjunto da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e foi professor doutor do Uniceuma, foi citado pejorativamente pelo parlamentar quando disse que "nunca se deu bem com esse sobrenome (Veloso)", fazendo menção ao dirigente da Ajufe.

Vale ressaltar que Renan Calheiros também enfrentou crise conjugal com a jornalista Mônica Veloso, com quem teve uma filha fora do casamento e pagava pensão alimentícia por meio do recebimento de propina de uma construtora, configurando crime de peculato (crime contra a administração pública), cuja denúncia do Ministério Público foi aceita no mês passado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), tornando-se réu no processo.

De acordo com as investigações, Renan teria recebido recursos do lobista Cláudio Gontijo, da empreiteira Mendes Júnior, para pagar a pensão da filha que teve com a jornalista. Em troca, o senador apresentava emendas que beneficiariam a construtora.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Renan comete equívoco e cita nome de irmão de Flávio Dino

O procurador Nicolao Dino, irmão do governador Flávio Dino, foi citado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros
Acuado pela denúncia do Ministério Público Federal no âmbito da Operação Lava Jato, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), amigo do ex-presidente José Sarney (PMDB), acabou citando o nome do procurador Nicolao Dino, irmão do governador do Maranhão Flávio Dino (PCdoB), como um dos membros da força-tarefa ligada ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, rejeitado pelo Senado.

"O Ministério Público passou a fazer política. quando faz política perde a condição de ser o fiscal da lei. O procurador-geral da República colocou na força-tarefa (da Lava Jato) três destacados juristas, rejeitados pelo Senado para o Conselho Nacional do Ministério Público e Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Isso já demonstra o que ele pretende fazer com o Senado", diz Renan citando os nomes dos procuradores Nicolau Dino, Vladimir Aras e Sérgio Saraiva.

O problema é que Renan cometeu um ato falho, já que nenhum dos três procuradores integra a força-tarefa da Lava Jato.

O efeito fermento de Lula


Os cientistas políticos ainda estão batendo cabeça para tentar explicar o que mantém o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no seio do povo, mesmo sendo espancado e denunciado todos os dias na grande mídia nacional como o principal alvo da Operação Lava Jato da Polícia Federal. Além disso, esses mesmos cientistas não sabem explicar por que ele continua na liderança das pesquisas de intenções de votos para as eleições gerais de 2018, na corrida sucessória ao Palácio do Planalto.

Vale ressaltar que a mais recente pesquisa do instituto Datafolha, encomendada pelo jornal Folha de São Paulo, divulgada na última segunda-feira, 12, trouxe mais uma vez o ex-presidente na frente. Lula aparece com 25% das intenções de votos, seguido de Marina Silva (Rede) com 15%, o senador Aécio Neves (PSDB) com 11%, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) com 9%, Ciro Gomes (PDT) com 5%, o atual presidente da República Michel Temer (PMDB) com 4%, Luciana Genro (PSOL) com 2%, Ronaldo Caiado (DEM) com 2%, Eduardo Jorge (PV) com 1%, Branco/Nulo 20% e Não Sabe 6%.

A pesquisa tem margem de erro de dois pontos percentuais para cima ou para baixo e índice de confiança de 95%. O Datafolha ouviu 2.828 pessoas nos dias 7 e 8 de dezembro.

Lula também lidera em outros três cenários de primeiro turno simulados pela pesquisa. Em um desses cenários a pesquisa acrescentou o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Ele fica com 8%. Marina tem 17% e Lula tem 26%.

No cenário com o ministro das Relações Exteriores José Serra (PSDB), o tucano aparece com 9%. Marina com 16% e Lula com 25%.

Com informações do G1

Weverton Rocha já se articula para o Senado em 2018


Dizem que em política, mal encerra-se uma eleição e logo começa outra. Pois bem, a máxima já vem sendo colocada em prática pelo deputado federal Weverton Rocha (PDT), que nem bem sentou praça na Câmara Federal, e já está de olho largo numa das duas vagas ao Senado da República para o pleito de 2018, com o apoio do governador Flávio Dino (PCdoB).

O "Menino Traquino", como é chamado Weverton, esteve neste último fim de semana no município de Santa Inês, distante 250 Km de São Luís, onde reuniu políticos da região para deflagrar sua virtual disponibilidade de colocar o seu nome para concorrer à vaga. O encontro ocorreu na residência da prefeita eleita da cidade e ex-deputada estadual Vianey Bringel.

Marcaram presença no ato pró-Weverton,  os ex-deputados e ex-prefeitos Rubens Pereira, Juscelino Resende, Valdivino Cabral e Chico Leitoa, o empresário Francisco Oliveira, os deputados federais Juscelino Filho e Weverton Rocha, o deputado estadual Glaubert Cutrim, os prefeitos Suely Pereira (Matões) e Gil Cutrim (São José de Ribamar), os prefeitos reeleitos Luciano Leitoa (Timon), Gleydison Resende (Barão de Grajaú) e Hernando Macedo (Dom Pedro), os prefeitos eleitos Francisco Nagib (Codó), Luanna Resende (Vitorino Freire), Talita Laci (Raposa), Vide (Tufilandia), Chico do Eduardo ( Brejo de Areia) e Erlanio Xavier (Igarapé Grande), os vereadores Osmar Filho (São Luís) e Uilma Resende, presidente da Câmara de Vereadores de Timon.

Prefeituras acusadas de fraudes em licitações


Um universo de 17 prefeituras maranhenses suspeitas de fraudes em processos licitatórios está sob investigação do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com apoio da Controladoria Geral da União (CGU) e da Polícia Civil do Maranhão. A operação denominada "Cooperare" foi deflagrada nas primeiras horas desta terça-feira, 13. 

As investigações do Ministério Público apontam que as prefeituras maranhenses estam envolvidas em um esquema que desviou cerca de R$ 170 milhões dos cofres públicos. Segundo representação do órgão, houve irregularidades na contratação da Cooperativa Maranhense de Trabalho e Prestação de Serviços – COOPMAR e mais de 10 empresas.

Ainda durante as investigações, foi apurado que a empresa envolvida no esquema, ao longo de três anos, recebeu repasses de prefeituras na ordem de R$ 230 milhões. Dentre as prefeituras citadas nas investigações estão Timon, Caxias, Viana, São Mateus, Grajaú, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, além de outras dez cidades do interior do Maranhão.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

O último adeus ao político João Castelo

O deputado federal João Castelo (PSDB) ocupou vários cargos na esfera político--administrativa do Maranhão
Nesse momento está sendo velado no plenário da Assembleia Legislativa do Maranhão o corpo do ex-governador, ex-senador e ex-prefeito de São Luís e deputado federal João Castelo (PSDB). O tucano faleceu na manhã do último domingo, 11, no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

O corpo do parlamentar estava previsto para chegar desde ontem à noite em São Luís, mas houve um atraso no voo, chegando apenas na manhã desta segunda-feira, 12. O enterro acontece às 17h, no cemitério Parque da Saudade, situado no bairro do Vinhais.

O saudoso deputado João Castelo estava em seu quinto mandato de deputado federal pela bancada maranhense. O político também chegou a ocupar a presidência da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap).

Astro de Ogum na condição de prefeito de São Luís

O prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior (PDT), irá passar o comando do município para o presidente da Câsmara
O presidente da Câmara Municipal de São Luís, vereador Astro de Ogum (PR), irá assumir nas próximas horas a condição de prefeito da capital maranhense. É que com o cargo de vice-prefeito em aberto, já que o vice era o atual senador Roberto Rocha (PSB), o parlamentar passa a ser o sucessor direto do gestor. Com o nascimento da mais nova filha, o prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT) deve se licenciar do cargo (licença paternidade) e quem assume o comando do Executivo Municipal é o presidente Astro, por um período de 15 dias, já que Edivaldo vai se dedicar mais tempo à família ao lado da esposa e primeira-dama Camila Holanda.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Temer, FHC, Sarney, Lula e Dilma ajudaram a salvar o pescoço de Renan


Por Andrei Meireles
Do blog Os Divergentes

A saída para salvar o pescoço de Renan Calheiros no STF foi apoiada pelo presidente Michel Temer e por quatro ex-presidentes da República: José Sarney, Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff.

As digitais de Temer, Sarney e FHC aparecem nitidamente no acordão para aprovar o remendo costurado pelo decano Celso de Mello. Pior foi o STF engolir a seco o desrespeito a uma ordem judicial do próprio Supremo, uma rendição que abre um precedente perigoso.

Com conhecido bom trânsito no Judiciário, parceiro de Renan, o empenho de José Sarney foi evidente. Ele aconselhou Renan e usou toda a sua rede de influência para ajudá-lo.

Temer e Fernando Henrique se empenharam para não prejudicar a tramitação no Congresso da complicada pauta econômica do governo. Usaram uma justificativa diferente. Vazaram a versão de que estavam preocupados com a pressão de setores do PT sobre o senador Jorge Viana para adiar a votação da PEC dos Gastos.

Petistas, como o senador Lindbergh Farias, de fato cobravam essa postura de Jorge Viana. Ele, porém, não cedeu e participou ativamente das conversas com ministros do STF em busca de uma saída para o impasse entre os poderes.

Fez ainda mais. Na noite da terça-feira (7), ele estava reunido com Renan e outros senadores na residência oficial da Presidência do Senado. De lá, ele telefonou para Lula e Dilma e obteve o apoio dos dois ex-presidentes petistas para o tal acordão.

Pode não ter agradado a correligionários, mas Jorge Viana mas foi muito elogiado pela turma do PMDB. “Ele foi pedra 90”, disse Jader Barbalho, usando uma expressão antiga para definir pessoa de valor que cumpre com sua palavra.

Para os mais novos, Pedra 90 é a de maior valor no saco do jogo de Tômbola, espécie de bingo criado na Itália.

Nato Junior afirma que votará em Astro de Ogum



Em entrevista ao programa Câmara em Destaque, na rádio Difusora AM (das 10h às 13h), nesta sexta-feira, 9, o vereador eleito Nato Junior (PP/foto) afirmou que irá votar pela recondução do presidente da Câmara Municipal de São Luís, Astro de Ogum (PR), para conduzir os trabalhos do Legislativo por mais um biênio (2017/2018). 

Nato Junior é vereador eleito da capital maranhense com um quantitativo de 6.514 votos (1,24%) e tem como base eleitoral o bairro do Coroadinho. Tem como principal proposta lutar pelos direitos da juventude, por meio de projetos de lei que garantam assistência os jovens de São Luís.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Vereador do PDT pode assumir Educação em São Luís

O vereador Pavão Filho (PDT) figura na articulação para ocupar a Secretaria Municipal de Educação em São Luís
O nome do vereador Pavão Filho (PDT) já passa a ser um dos nomes cotados para assumir o comando da Secretaria Municipal de Educação, na nova gestão do prefeito Edivaldo Holanda Júnior (PDT), a partir de 1º de janeiro de 2017. Atualmente, o setor vem sendo gestado pelo economista e professor universitário, Moacir Feitosa, que tem se esforçado bastante para dar andamento às ações educacionais na capital maranhense.

Até o momento, o nobre parlamentar pedetista ainda não confirma se já teve alguma conversa nesse sentido com o prefeito Edivaldo. No entanto, Pavão Filho também não nega publicamente que possa assumir o cargo. No momento, o vereador, que é do mesmo partido do gestor municipal, tem uma estreita relação de amizade e também política com o prefeito de São Luís.

Enquanto isso, outros segmentos apostam que o prefeito Edivaldo não deve mexer na pasta da Educação e, portanto, manter na espinhosa função o secretário Moacir Feitosa que vem arrumando a casa, deixada em completa desordem por seu antecessor, o professor Geraldo Castro Sobrinho (PCdoB).

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Editorial de O Globo critica decisão do Senado


Editorial/O Globo

Como a insensatez nem sempre tem limites, a crise institucional entre Supremo e Senado, deflagrada na segunda-feira com a decisão individual do ministro do STF Marco Aurélio Mello de aceitar pedido do partido Rede — dentro de suas prerrogativas — para afastar Renan Calheiros (foto) da presidência do Senado, teve grave desdobramento.

Marco Aurélio poderia ter consultado os pares, mas é fato que ele tinha bases legais para conceder a liminar. Isso, na condição de relator do processo pelo qual ficou entendido, pela maioria da Corte, no início de novembro, que réu não pode constar da linha de substitutos do presidente da República. Réu foi em que se tornaria Renan, numa acusação de peculato, logo após aquele julgamento.

Mesmo que, depois de ter sido formada a maioria em favor dessa tese, o ministro Dias Toffoli houvesse pedido vista, Marco Aurélio estava em seu direito de acolher o pedido de liminar da Rede, partido que já motivara aquele primeiro julgamento. Se deveria ou não ter cautela, esta é outra discussão, no âmbito das conjecturas políticas, longe do campo do Direito.

O decidido passo seguinte na marcha da insensatez foi dado por Renan e a Mesa do Senado, incluindo seu primeiro vice-presidente, Jorge Viana, do oposicionista PT, de se recusar a cumprir uma determinação do STF. Na vigência do estado de direito, não se tem notícia de algo sequer semelhante.

Logo cedo, em café da manhã com jornalistas, a presidente do Supremo, Cármen Lúcia, se comprometeu a pautar na Corte “tudo o que for urgente para o Brasil”. A reação tosca de Renan, seguido pela Mesa, testou o compromisso da ministra, e tudo ficou para ser decidido, enfim, na abertura da sessão de hoje do Pleno do STF, às 14h.

É preciso que haja, depois disso, um compromisso do STF, Senado e organismos de todos os poderes para evitar crises institucionais deste ou qualquer outro tipo. O momento do país não comporta.

PUBLICIDADE

A situação da economia é difícil, e a atmosfera política precisa contribuir para a mais rápida tramitação possível das propostas de reforma e de medidas correlatas pelo Congresso. Está em jogo a estabilidade do país, mais importante que a vitória ou derrota deste ou daquele campo político.

Confirmado que Jorge Viana assumirá, seu curto mandato — o recesso começa em breve — lhe reserva um teste de seriedade: na condição de petista, irá boicotar a votação final, terça-feira que vem, da PEC do teto, primeiro pilar de sustentação do ajuste, mesmo que isso piore a situação dos trabalhadores, retarde a volta à criação de empregos e assim por diante?

O próprio Judiciário, última escala das investigações da Lava-Jato, tem diante de si as delações copiosas da Odebrecht, e quanto maior a serenidade na sua tramitação, melhor para todos. A crise institucional precisa ensinar a todos.

Autor da Ficha Limpa critica deputado do PDT

O ex-juiz Márlon Reis se contrapôs à proposta apresentada pelo deputado federal Weverton Rocha (PDT) na Câmara
Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado do Maranhão, o ex-juiz Márlon Reis, considerado um dos autores da Lei da Ficha Limpa, criticou a postura do deputado federal Weverton Rocha (PDT) por ter apresentado a emenda que pune por crime de abuso de autoridade juízes e membros do Ministério Público, aprovada semana passada na Câmara dos Deputados e incluída no Projeto de Lei 4850/2016, que cria medidas contra a corrupção.

Para o ex-magistrado, a redação da proposta do parlamentar maranhense foi extremamente infeliz. "A redação do projeto foi muito infeliz. Apresenta conceitos abertos, como 'honra e dignidade' que podem servir de argumento para a perseguição de juízes e promotores de justiça independentes, com coragem para tomar decisões que afetem poderosos", declarou.

Márlon Reis disse ainda que é necessário atualizar a lei que trata de abuso de autoridade. "Nesse aspecto a magistratura e o Ministério Público não podem ser excluídos. Mas, não se pode conceber normas que, a pretexto de combater abusos, fragilizem a independência funcional dos integrantes dessas carreiras", enfatizou.

Sai Renan entra Waldir Maranhão

O deputado federal Waldir Maranhão pode ser o comandante da votação do projeto orçamentário da União para 2017
O caos político-institucional continua acentuado em Brasília. Tanto que já existe até a possibilidade do deputado federal Waldir Maranhão (PP), atual vice-presidente da Câmara Federal, ser o principal comandante da votação do orçamento da União para o exercício financeiro de 2017.

É que com a instabilidade no cargo e caso seja mantido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) o afastamento do presidente do Senado e do Congresso Nacional, Renan Calheiros (PMDB-AL), a votação do orçamento ficaria a cargo do deputado Waldir Maranhão, que também é vice-presidente do Congresso Nacional.

Durma com um barulho desse!

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Renan Calheiros tenta se aconselhar com Sarney

O presidente afastado do Senado, Renan Calheiros (PMDB), está buscando conselhos junto ao ex-presidente José Sarney
O ex-presidente da República, José Sarney (PMDB-MA), participa da reunião para mediar a crise envolvendo o presidente afastado do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O encontro, na residência oficial do Senado, conta também com a presença do presidente interino da Casa, Jorge Viana (PT-AC).

Ainda não há informações oficiais sobre o que será tratado, mas a expectativa é que o grupo discuta a conjuntura e a pauta de votações. Diante do quadro, a tendência é que o Senado não vote matérias nesta terça-feira.

As comissões também cancelaram sessões deliberativas. Só foram mantidas as reuniões com audiência pública.

PCdoB desconhece pré-candidatura de Dino à Presidência da República


O governador do Maranhão, Flávio Dino (foto), tenta pegar carona na crise político-institucional e financeira que tomou conta do Brasil e já vislumbra a possibilidade de sair candidato à Presidência da República, nas eleições gerais de 2018. No entanto, o próprio portal do PCdoB ainda não lançou eventuais nomes que podem entrar na lista de pré-candidatos.

Até o momento, lideranças comunistas nacionais estão pregando apenas a construção de uma frente ampla e democrática para o país, visando o próximo pleito. Essa decisão foi tomada no último fim de semana, em São Paulo, onde os membros do Comitê Central do Partido Comunista do Brasil estiveram reunidos.  Inicialmente, o PCdoB quer a construção de uma frente ampla, que seja capaz de unir a esquerda que está em frangalhos e a busca por protagonismo político.

No entanto, partidários do governador Flávio Dino já lançaram mão da ideia de tê-lo como virtual pré-candidato à Presidência da República. Porém, outros nomes de peso no partido em âmbito nacional como o ex-ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, e as deputadas federais Jandira Feghali e Luciana Santos, que atualmente preside o PCdoB, também aparecem com chances reais de dar vazão à empreitada.

Vale aguardar!